Paradigmas da Educação. 11/11/12


É preciso reinventar os paradigmas da Educação.
Em todos os níveis, é preciso repensar a Educação.
A Educação Privada por status e poder, colocam a
prova mentes manipuladas, massacradas e selecionadas
para despontar nos primeiros lugares dos certames,
que não estão provando nada.
A Educação Pública carente de política específica, é medieval.
Aposta em poucas mentes selecionadas o intento de medir,
expondo fragilidades, apontando números e notas abaixo
do que entendemos ser um ensino de qualidade.
No Brasil, ENEM, ENADE, SARESP e outros certames mais,
revelam a queda do desempenho do conhecimento,
resultados revelam dados alarmantes.
Abaixo da linha do Equador, por pouco não somos os piores.
Ambas, Escolas Pública e Privada estão acionando botões,
como descarga, para mostrar números que não refletem a realidade atual.
Existem carências de profissionais em todas as áreas.
Carências de pessoas formadas e preparadas para lidar com o
desenvolvimento humano e holístico.
Carências de profissionais que possam lidar com o desenvolvimento do conhecimento.
Estamos formando indivíduos imediatistas para atender a sobrevivência  e existência,
sem se preocupar com o saber, cultura e importâncias dos valores.
O que assistimos é uma simples reprodução de técnicas e ideias,
nada se cria, tudo se copia.
Os interesses pessoais e vaidades políticas reprimem as expectativas, ou seja,
a Educação sempre fica para um segundo plano, não existe um plano.
A Educação, hoje, precisa de novos paradigmas, precisa sair de práticas medievais.
Reflexão:
Reitores e Diretores, sejam eles de Escolas Públicas ou Privadas de qualquer nível,
que comandam Pesquisadores, Cientistas e Professores recebem, 
em média quinze, dez ou cinco mil reais mensais.
Pesquisadores, Cientistas e Professores, que salvam vidas,
descobrem novos remédios e ensinam recebem, em média dez,
cinco ou dois mil reais por mês.
O Técnico da Seleção Brasileira vai ganhar setecentos mil reais por mês.
Seus comandados, jogadores, receberão em média, salários mensais que jamais Pesquisadores, Cientistas e Professores receberão em toda sua vida produtiva.
Precisamos repensar a inversão dos Valores!